quarta-feira, 25 de novembro de 2015

BOA NOITE!!!


SEMELHANÇA



A semelhança da herança que pulsa na veia é tamanha que, às vezes vem-me a dúvida de estar diante de um EU menor, ou, de uma FORÇA maior.


Flávia Abib




LUZ


"PSICOLOGIA CLÍNICA, PSICOTERAPIA E O ESTUDANTE DE PSICOLOGIA"

"PSICOLOGIA CLÍNICA, PSICOTERAPIA E O ESTUDANTE DE PSICOLOGIA"
(Cláudia Meira/Maria Lúcia Nunes) PUC-RS

"O PSICÓLOGO precisa pensar na sua saúde mental e na necessidade de fazer terapia pessoal, o que não pode ser imposto. Mas deve-se associar o tratamento pessoal a um valor tão forte que o próprio aluno busque sua terapia e entenda que, PARA SE COLOCAR COMO UM PSICÓLOGO, para trabalhar o crescimento das pessoas e nos relacionamentos, É PRECISO QUE ELE MESMO SE DESENVOLVA PESSOALMENTE."
                                                                                    (Guilherme Valle)



_______________________________Flávia Abib





"A DIALÉTICA DO DESEJO E DA FALTA" (Contribuição da Psicanálise para tal)

A dialética do DESEJO e da FALTA mostra-se, assim, sem consistência: enquanto ela deveria permitir ao sujeito deparar-se com o vazio, possibilitando o despertar do desejo, o que ocorre, de fato, é uma necessidade contínua de por fim à falta, instaurando um novo objeto, um novo produto, um novo falo que bloquearia qualquer alusão ao vazio. Segundo Homem (2003, p. 4), reside aí "o aspecto mais árduo da descartabilidade, uma vez que obriga o sujeito a ACORRENTAR-SE a inúmeros objetos, acabando por não exercer seu desejo que, PARALISADO E PERDIDO, coloca-o no lugar do NÃO SER." Nessa linha de raciocínio, encontra-se o que descreve Bauman (2004, p. 82) sobre as "facilidades" de comunicação na contemporaneidade. O autor destaca que "a distância não é mais obstáculo para se entrar em contato – mas entrar em contato não é obstáculo para se permanecer à parte. Os espasmos de proximidade virtual TERMINAM , idealmente, sem sobras nem sedimentos permanentes." O espaço da virtualidade brinda ao sujeito com a possibilidade da proximidade distanciada, limitada, controlada. Aliás, a exigência de habilidades decorrentes das vivências de permanência ou de intimidade parece ser um PROBLEMA a ser evitado.
Constatamos assim que o sujeito situa-se na contramão, no sentido de buscar e acreditar na possibilidade de transitar em outra via. Trata-se de um percorrido no qual o Eu possa experimentar um processo de DESCONSTRUÇÃO DE CERTEZAS, de fuga ao fascínio das imagens, de ENFRENTAR-SE COM O VAZIO E A FALTA descobrindo, assim, a fecundidade de uma experiência de autonomia e liberdade viabilizada por um genuíno processo de conhecimento do si mesmo. Significa poder trilhar um outro caminho - o caminho transferencial - de intersubjetividade, que permita ao sujeito romper com o pacto atual de cultura do NARCISISMO E DO ESPETÁCULO.
O QUE SE PODE ESPERAR DA PSICANÁLISE É A CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO ONDE O INTRAPSÍQUICO É PRIORIZADO, A SINGULARIDADE RESPEITADA E A IMPLICAÇÃO DO SUJEITO EM SEU PADECIMENTO PODE SER ESCUTADA. BUSCA-SE, DESSA FORMA, POSSIBILITAR TROCAS INTERSUBJETIVAS MAIS RICAS E MENOS FUGAZES, NARCÍSICAS, PERVERSAS, VAZIAS. O QUE SE PODE ESPERAR É UM ESPAÇO ONDE O DESEJO POSSA SER RECONHECIDO, ONDE O SUJEITO RECONHEÇA-SE COMO SER DESEJANTE.
(Carolina Dockhorna / Mônica Macedo)
*********************(Título e determinados parágrafos "adaptados" por mim.)
-----------------------------------------------------------Flávia Abib